quarta-feira, 24 de maio de 2017

A Embaixada Verde

A Embaixada Verde criada pelo arquiteto Steffen Impgaard, fica localizada em Aarhus (Dinamarca), ocupa uma área de 30 m². Concebida como uma estrutura arquitetônica e ponto de encontro no espaço urbano, para aumentar a visibilidade e acessibilidade do projeto Taste Aarhus. Com ele, cria-se mais oportunidades para as pessoas começarem a plantar, mesmo que não tenham jardim. Ao mesmo tempo, o projeto torna os espaços públicos da cidade mais agradáveis para os cidadãos de Aarhus. O pavilhão estará em um local por um período de 2 anos e, em seguida, será movido para outro espaço na cidade.



















terça-feira, 23 de maio de 2017

Mala/Prateleira (ShelfPack)

Conheça a combinação de mala e prateleira "ShelfPack", que permite que se arrume a mala pré-organizando tudo nas prateleiras embutidas. Fechada ela mede 71 cm de comprimento incluindo rodinhas, 45 cm de largura e 35 cm de profundidade. Ao puxar as hastes laterais surge uma estante com prateleiras de 107 cm de altura. Perfeito para manter as coisas organizadas e sem precisar desfazer a mala. Amei a praticidade!






Veja o funcionamento ao clicar no link abaixo:
https://youtu.be/TNZ3EryOgp4


https://www.shelfpack.com/

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Marmita Fitness!

Quase toda segunda feira é assim, tento iniciar minha reeducação alimentar, mas, se você trabalha fora, cai na tentação de almoçar em restaurantes que oferecem comida por quilo, com muitos quitutes calóricos. Então por que não montar sua marmita fitness? Com uma comidinha menos calórica,pouco sal, sem condimentos industrializados e agrotóxicos. O foco vai depender do objetivo, emagrecer ou ganhar massa muscular? A diferença é a quantidade e equilíbrio dos macros e micronutrientes. Se esse cálculo esta difícil para você, procure uma nutricionista para a alimentação e uma vida saudável. O ideal é que a marmita fitness seja de vidro (ao contrário do plástico, não interage quimicamente com os alimentos, gerando alterações na composição deles), contenha no mínimo dois potes. Um deles, você leva itens a serem consumidos frios. No outro, você acomoda a porção principal, aquela que vai passar por aquecimento. Se quiser um terceiro pote para a sobremesa, como frutas picadas com aveia. Caso não seja possível colocar em recipientes de vidro, não é problema, a de vidro é apenas uma sugestão mais saudável. Ainda sim, não deixe de levar mesmo que seja de plástico ou até de mental. O importante é fazer da marmita fitness uma aliada para a manutenção da saúde e não um modismo com regras rígidas a serem seguidas.










 















domingo, 21 de maio de 2017

George Orwell, in A revolução dos bichos:


"Lembrai-vos também de que na luta contra o Homem não devemos ser como ele. 
Mesmo quando o tenhais derrotado, evitai-lhe os vícios. 
Animal nenhum deve morar em casas, nem dormir em camas, nem usar roupas, 
nem beber álcool, nem fumar, nem tocar em dinheiro, nem comerciar. 
Todos os hábitos do Homem são maus. 
E, principalmente, jamais um animal deverá tiranizar outros animais. 
Fortes ou fracos, espertos ou simplórios, somos todos irmãos. 
Todos os animais são iguais".

sábado, 20 de maio de 2017

ARQUITETANDO COM THELMA: CARRINHO DE CHÁ!

Shirley Mancha, para alguns o nome é carrinho de chá, eu sempre os transformo em uma especie de mini bar. No passado ele servia apenas como apoio para comida, hoje  por ser uma peça multi uso pode ser usado como: bar, mesa lateral , aparador, mesa de apoio no escritório ou na cozinha, na varanda ou até como mesa de centro. Veja alguns modelitos de alguns que foram repaginados e se inspire menina! 



















sexta-feira, 19 de maio de 2017

BAIRRO DO RIO VERMELHO - SALVADOR / BAHIA

Apesar do grande crescimento vertical verificado noutras áreas de Salvador (Bahia), o bairro do Rio Vermelho conserva suas casas. As estreitas vias mais antigas receberam nomes que homenageiam importantes cidades baianas, como Caetité, Itabuna, Ilhéus, etc. Na rua Alagoinhas está a casa que foi a residência do falecido escritor Jorge Amado e de sua esposa Zélia Gattai, hoje funciona como museu. Essa vista aérea é uma das minhas favoritas, banhe os olhos com esse mar.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

CHARLIE CHAPLIN MUSEUM (CORSIER-SUR-VEVEY / SUIÇA)

Charles Chaplin (1889 - 1977), o gênio do cinema mudo viveu numa mansão os 25 anos finais de sua vida na cidade suíça de Corsier-sur-Vevey, 90 quilômetros de Genebra, agora vai virar museu. A mansão tem 24 quartos, foi construída em 1830, onde o ator, diretor e músico londrino viveu com a quarta e última mulher, Oona Chaplin, e os oito filhos que teve com ela. Depois de muito se arrastar, o projeto para transformar a residência em um museu sobre a vida e obra de Chaplin  saiu e esta funcionando desde o ano de 2010, o Charlie Chaplin Museum. Coloca os visitantes em contato com a intimidade do cineasta, apresentando objetos pessoais, como álbuns fotográficos, e convidando para um giro pelos cômodos da casa. Nesse passeio, as múltiplas faces da criatividade de Chaplin ganham destaque em ambientes que reproduzem os cenários de seus filmes, exibem as vestes de seus personagens ou ecoam suas composições musicais. Espalhados por todo o percurso, telões de alta definição e projeções em 3D exibirão as cenas mudas em preto-e-branco que ganharam o mundo e entraram para a história. A parte exterior do museu é uma imensa área verde às margens do lago Geneva, circundada pela paisagem dos picos alpinos e uma praça coroada com o nome e uma estátua de Chaplin. O local pode ser usado para o descanso dos visitantes e a realização de piqueniques, numa atmosfera regida pela eterna presença do talento de Chaplin, que repousa ao lado de Oona ali perto, no cemitério municipal.






quarta-feira, 17 de maio de 2017

RESTAURANTE QUE É QUASE UMA VITRINE

O interessante no projeto deste "restaurante bar Dominga" é que fizeram uma parede de vidro para que o interior do restaurante fosse visualizado quase que integralmente por quem passa. O projeto foi premiado em um concurso que consiste na concepção do interior de um espaço para restaurante.

Autoria do escritório de arquitetura tidy Arquitetos , é contemporâneo e ousado.






terça-feira, 16 de maio de 2017

Como cuidar das plantas!


Cultivar plantas pode ter efeito gratificante, caso tudo corra como se esperaria de alguém com “dedo verde”; ou frustrante, sentimento conhecido de quem passou a questionar a própria capacidade de manter até um simples cacto vivo em casa. O caso é que plantas são seres vivos que exigem cuidado, cada uma à sua maneira. Distinguir qual suportaria viver com pouco ou muito sol, pouca ou muita água, na janela ou decorando a mesa, não é mera bobagem. Os modos de plantio e manutenção –diária, em alguns casos– variam. Os “sinais” dados pelas plantas do seu estado de saúde também; cabe a cada um aprender como notá-los. Abaixo, uma relação de dicas sobre quais plantas são mais indicadas para cada casa, recomendações sobre como plantá-las, mantê-las, identificar problemas e, em último caso, reanimá-las. Antes de plantar, olhe em volta Uma planta pode estar morrendo na sua casa por culpa da sua casa. Isso porque luz, espaço e ventilação são fatores elementares para o sucesso ou fracasso de uma planta. A avaliação sobre a estrutura da casa ou apartamento não vai necessariamente resultar em conclusões radicais como “você pode (ou não) ter plantas”, mas ajudarão a responder a questão que realmente deve ser feita: quais plantas você pode ter? O primeiro fator a ser levado em conta é a luz. A condição da casa é fundamental. Ela tem área com sol pleno ou é só claridade? Ou ainda é um espaço que não tem nem claridade, mas só luz artificial? Isso limita as possibilidades de espécies.




Isso porque há plantas que dependem de sol direto (ou sol pleno), enquanto outras já não são muito amigas da luz direta e preferem lugares com menos incidência solar (as chamadas plantas de meia-sombra), e outras que se viram bem em ambientes internos com pouca claridade. Plantas que costumam ser cultivadas em hortas, de tempero (hortelã, salsa, cebolinha, tomilho ou manjericão), verdura (como alface, espinafre, rúcula, etc) ou frutíferas (como tomate ou pimenta), dependem de sol direto. “Não adianta bater só luz, tem que ter sol. Ambiente fechado nem pensar. A sugestão é colocar a horta em um espaço aberto, como uma varanda, que pegue pelo menos 6 horas de sol por dia. Para quem não tem esse tempo de sol todo em casa, é recomendável passar a olhar para plantas de sombra ou meia-sombra que são menos trabalhosas. Plantas de horta são mais sensíveis, dependem de maior adubação, rega e sol. Já as de meia-sombra se adaptam a espaços internos e vão demandar um cuidado praticamente mínimo e menos de duas horas de sol por dia”, diz. Plantas de sombra ou meia-sombra (ou sombra parcial) podem ser identificadas pela folhagem, normalmente de tom verde escuro. Alguns exemplos são Espada-de-são-jorge, Pata-de-elefante, Costela-de-Adão, Chifre-de-veado, Antúrio, Lírio-da-paz, cactos e suculentas em geral ou ainda espécies de flor, como orquídeas, begônias e violetas.




No caso de lugares sem sol direto ou sequer claridade, a saída é partir para um sistema de estufa de iluminação artificial com lâmpadas de filtro ultravioleta. Isso é necessário para que a planta faça fotossíntese. Outro fator sobre o local é a ventilação e abrigo, em caso de chuva, por exemplo. Se é um lugar que bate sol, mas é fechado, como uma varanda toda fechada de vidro, há plantas que se adaptam melhor. Já uma varanda aberta onde ventila, chove etc, é outro tipo de planta que vai resistir melhor.  Do jeito certo, em se plantando, tudo dá Definidas as plantas que você – ou a sua casa– é capaz de ter, o passo seguinte é escolher: semente ou muda? Apesar de ser um processo interessante o de ver uma semente se transformar em uma planta madura, optar por cultivar –uma horta, por exemplo– partindo de sementes é um trabalho em dobro. Por isso, para quem já tem dificuldade em manter uma planta viva, a recomendação é arriscar-se com uma que já esteja, digamos, “melhor encaminhada”. Outra coisa é ver se ela vai estar no chão com terra, em laje, em jardineira ou vaso. Tem que saber escolher a planta em função disso também. A razão é o espaço que a planta terá à disposição conforme for crescendo. Um vegetal com potencial de grande porte em um vaso pequeno pode não ficar com boa aparência ou até morrer. Jardineiras ou vasos devem ter uma profundidade proporcional à do tamanho da planta e contar com furos que garantam o escoamento de água, além de espaço suficiente para pequenos cuidados com a terra. É recomendável ainda o uso de argila expandida (ou pedra) e manta de bidim; uma para reduzir a umidade da terra e a outra para impedir que a terra entupa o fundo dos vasos.



A terra usada no vaso também importa. O ideal para o chamado período de adaptação –quando a muda comprada é plantada em vaso, jardineira ou no chão– é preparar uma mistura de terra preta e adubo (como húmus de minhoca), encontrados facilmente em lojas especializadas, tomando cuidado para evitar o contato direto do adubo com as raízes. Feito o plantio, é importante fazer uma rega diária ao longo da primeira semana. Há que se levar em conta que há plantas que não vivem bem no mesmo espaço. Principalmente no caso de hortaliças, a dica é plantá-las em vasos ou jardineiras separadas. Se a horta for feita em terreno, é recomendável dar uma distância de cerca de 20 cm entre elas. Nascer, crescer e manter Se o roteiro descrito até este ponto já foi seguido à risca outras vezes e o fim da história, mesmo assim, foi negativo para a planta, o problema está na manutenção da vida do vegetal. Nesta etapa, algumas boas práticas devem ser observadas com atenção, como a rega, a adubação e a poda. Água sob medida A quantidade de água usada na rega é, quase sempre, a razão do insucesso com plantas. Ora pecando pela falta, ora pelo excesso. As pessoas matam a planta mais por falta de rega. Por isso é pior regar demais do que de menos. A frequência sugerida, de maneira geral, é fazer a rega três vezes por semana. É claro que esse ritmo deve variar de planta para planta –cactos e suculentas têm uma necessidade menor de água, bem como as de sombra ou meio-sombra– e de época para época. Durante o verão, a terra seca mais rápido e as folhas podem também ficar cobertas por poeira. Nessas situações, pode-se aumentar a dose e ainda borrifar água nas folhas – atentando para o horário, preferencialmente no início da manhã e no fim da tarde, para que o sol não as queime.



Um truque para nunca errar a medida de água é afundar o dedo na terra. O ‘dedômetro’ nunca falha. O ideal é apostar no meio termo: a terra não pode estar nem muito molhada, nem seca. 

Cortar para crescer Para o jardineiro menos experiente, pode parecer estranho recomendar o corte de folhas e galhos maduros para que a planta cresça melhor, mas a verdade é que se trata de uma prática necessária e eficiente. O bom é arrancar com a mão ou uma tesourinha folhas amareladas, velhas e até galhos muito grossos, que pegam muito nutriente da planta. Isso ajuda a revitalizar a planta, que passa a crescer melhor como um todo. É importante podar sempre, ao menos uma vez por semana, mas não todos as folhas de uma vez, se não a planta pode levar muito tempo para se recuperar. A poda de raízes nos casos de plantas de grande porte mantidas em vasos. Jabuticaba, romã, pitanga. Dá para ter pé delas em vaso, mas de tempos em tempos você vai ter que tirar a planta do vaso, podar as raízes e replantar. O alvo da tesoura devem ser os “novelos” que as raízes dessas plantas formam. Ela forma uma espécie de ‘capa’, você tira essa capa e planta de novo. Isso dá uma nova vida para a planta, que começa a dar folhagem nova, até mais bonita.” Comida de planta No calendário de atividades cotidianas, o jardineiro não pode deixar de ter a adubação. Isso porque com o tempo, a terra vai ficando carente dos nutrientes e enrijecendo. Com a adubação, é possível resolver dois problemas de uma vez: renovar o material orgânico da terra para a planta e ainda torná-la arejada. É recomendado fazer o processo pelo menos uma vez ao mês. Para adubar, usar uma pá e revolver a terra próxima ao caule, superficialmente, com cuidado para não danificar a raiz. Não é para tirar a terra, só remover do lugar, descompactando. Isso ajuda a fazer com que o ar chegue ali. O adubo deve ser então jogado por cima dessa terra mexida. Há diversos tipos de adubos à venda, sólidos e líquidos. Dentre as opções do mercado, no entanto, o melhor é o uso de adubo orgânico, como o obtido do processo de compostagem, evitando a adubação química. Agrotóxico é algo danoso para o planeta. Opte por minhocas, compostagem, esterco bovino curtido, ou ainda biofertilizantes ou produtos biodegradáveis. Se algo não vai bem, tente outros métodos Mesmo sendo um cultivador exemplar, o jardim vai mal? A planta que começa a ter problemas, como doenças, falta ou excesso de água, nutrientes ou ataque de pragas, geralmente dá pistas disso através de seu aspecto, seja apresentando falta de rigidez no caule e galhos ou ainda mudança na coloração de suas folhas. Identificado o problema, é hora de atacá-lo. No caso de pragas (como pulgões e cochonilhas) ou doenças, lojas especializadas vendem soluções industriais e naturais que mostram resultado em poucos dias. Um problema comum que merece destaque, são os fungos, que podem ser mortais. Quando chegam às raízes, a chance de salvar a planta é baixa. Normalmente, o fungo aparece como consequência de muita água e vai apodrecendo a base da planta. Aí vem fungo, bactéria e, nesse ponto, já é mais difícil de recuperar a planta. O importante é não deixar chegar nesse ponto. Em alguns casos dá para cortar e a raiz brota de novo, mas é raro. Em situações de problemas menos fatais, algumas medidas drásticas podem ajudar na operação de salvamento. Troque a planta de lugar Às vezes a razão da agonia da planta é o ambiente. A terra, apesar de adubada, pode não estar mais adequada; o vaso ou a jardineira pode estar muito pequeno ou com fungo nas paredes; no local onde a planta está na casa, ela pode estar recebendo muito ou pouco sol. As possibilidades são várias. Na dúvida, mude o vegetal de vaso (ou renove toda a terra do jardim) e, se não funcionar, considere mudá-lo de lugar. O ideal é, uma vez por ano, trocar a planta de vaso e renovar a terra. Quando a troca é feita, você mexe na raiz, então depois é bom regar diariamente até que, após uns 20 dias, ela comece a se recuperar. É o tempo de a raiz se adaptar no novo ambiente.”



Corte (sem dó) Se uma planta está doente ou seca, uma saída é fazer uma poda mais radical, retirando suas folhas velhas, fracas ou doentes. O objetivo é o mesmo das podas periódicas: deixar que os nutrientes sejam melhor distribuídos e a planta volte a crescer. Além das folhas, é possível fazer o mesmo com os galhos. Nestes casos, é bom observar a coloração e consistência interna do caule. A recomendação é cortar aos poucos até se observar uma coloração esverdeada no centro. Em algumas semanas, é dali que, com sorte, brotarão galhos novos. Simule uma estufa Plantas cujos donos passaram uma temporada de férias sabem o que é quase morrerem estorricadas. Galhos e folhas secas são o sinal mais evidente de falta de água, mas podem não significar exatamente o fim da planta.  Antes de decretar o óbito da planta, vale tentar a estratégia de simular uma estufa, colocando a planta sob uma situação de umidade extrema. Para isso, adube a terra e regue a planta com uma quantidade superior à de costume e envolva-a com um saco, garrafa ou caixa plástica grande –use estruturas de madeira para que o plástico não toque nas folhas. Dentro de dois ou três dias, a planta pode começar a reagir. Não desista, plantas são uma boa ideia Apesar das várias tentativas, mais plantas definharam? Não desanime, nem pendure a pá de jardineiro. Aproveite o luto para aprender o que deu errado. 

Guia rápido pela sobrevivência de plantas: A planta escolhida pode não ser a mais adequada para a quantidade de sol disponível O vaso, jardineiro ou terreno pode não estar com a drenagem adequada para a planta A terra e o adubo utilizados podem estar fornecendo nutrientes insuficientes A quantidade de água usada na rega pode estar errada, para mais ou para menos Sua planta demanda um ritmo de poda maior Insetos e pragas podem estar prejudicando a saúde da sua planta Sua planta pode não ter gostado de estar próxima de outra no mesmo vaso ou na horta Se os cuidados básicos não funcionarem, vale experimentar plantas diferentes até encontrar alguma que se adapte bem ao espaço que tiver. O segredo, é bem simples: O mais importante para quem quer cuidar de planta é observar. A planta é um ser vivo. Ela não fala, até um agricultor experiente quando vai plantar tem que observar.

https://www.nexojornal.com.br/servico/2016/12/06/Um-guia-de-como-parar-de-matar-plantas-em-casa