quinta-feira, 14 de maio de 2009

CASA SUSPENSA EM COMPENSADO (OSB)

Para divulgar o OSB (oriented strand board, compensado feito de sobras de madeira), a emprêsa Masisa que fabrica e comercializa o material, promoveu no ano de 2006, em conjunto com o IAB-PR, o 1º Prêmio Masisa de Arquitetura. O Prêmio visou incentivar o conhecimento do uso de OSB em arquitetura, ampliando o repertório técnico dos arquitetos brasileiros, em seu processo criativo e produtivo, independentemente da tipologia ou temática adotadas.
Abaixo o projeto do arquiteto André Eisenlohr, 2º colocado, com sua obra inserida em uma área preservada de floresta de araucárias nativas, em Campos do Jordão - São Paulo.




Com o conceito orgânico de integração com o entorno, o arquiteto optou por deixar a casa com toda sua estrutura aparente, composta por pilares de eucalipto e vigas de muiracatiara, espécies que vem sendo reflorestadas de forma sustentável.

A cobertura é composta por telhas de fibra vegetal. Situada em um terreno em declive acentuado, a execução da obra permitiu que o arquiteto usasse sua experiência em técnicas de alpinismo e montanhismo, como o uso de reduções de peso com cordas e polias.
A casa foi construída com maneira artesanal, além de mão de obra reduzida e especializada. Foram usadas placas de 15mm de OSB para o fechamento das paredes, formando um "sanduíche" com 5cm de distância entre elas, o que proporciona um melhor conforto e isolamento termo-acústico e possibilita a passagem da fiação elétrica de forma simples e racional.
A escolha do sistema de construção seca com OSB foi feita pela facilidade e rapidez de montagem, além de sua resistência, leveza e textura visual, que deixa aparente o conceito orgânico e o partido ecológico do projeto, visando o mínimo impacto ambiental e a máxima integração com a natureza.
O custo da obra foi reduzido em função do preço do material, da redução do tempo de construção, do sistema construtivo e da mão de obra.